quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Aos caçadores de felicidade

O chá é servido pontualmente a qualquer hora, saiba você.
A loucura intoxica. Torna a tristeza apaixonante. E a alegria, vã e descartável.

Desdobrar mundos coloridos e tirar das mangas uma vida tecida por fantasias, não faz de uma morte menos suja que a outra, saibam todos vocês.

Verdades inventadas.
Sorrisos arrancados.
Um retórica tão, tão desesperada...

Repito, assimilo e assino embaixo, portanto:
Essa sede de ser mais só atinge quem nasceu pra ser menos.


segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Cresci um pouco todo dia de manhã

Este ano, diferente do que passou, comecei feliz e com vontade do que está por vir. Mas, a didática desta url é mesmo, assim, nublada, mórbida, com sua poesia de lamentação e de memória. Foi assim, com o texto abaixo, que eu abri os braços pra 2013. Posto hoje, dia em que abro os olhos pra 2014, buscando lembrar bem de quem eu fui e não quero mais ser. 

"Ando meio aturdida. Perdida. Fodida. Começo o ano com o pé esquerdo. Penso que logo farei meus 21 anos e, para os 30, é só um passo, e, para os 60, nem se fala. Ando meio aturdida. Atormentada. Atordoada. Ando puta com a pressa das coisas, com o preço das pessoas, com a velocidade da vida. Molho meus pés no mar, sinto a areia, o sol me queima. Demancho-me e desfaço-me. Choro, entristeço, emputeço. E parece que é sempre isso o melhor a fazer antes de dar o próximo passo. Tristeza, como a vida, também passa. E o tempo, apesar de certeiro, tem lá um pouco de graça." 

 Edição e pitacos do/no parágrafo: lady Dai Gemerias.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Das histórias

Uma época, um dia escolhido - eles precisavam se conhecer. No meio de uma multidão, não de nomes e sim de situações, deveriam se encontrar. E não é porque o destino é lindo e essas coisas são assim mesmo. Tava escuro pra ela. E tava escuro pra ele também. Não foi bússola mágica nenhuma, se achar ali, ou em qualquer outra situação depois dali... foi necessidade. Sem ele, ela tinha virado cinzas, tudo aquilo que prometeu não ser. Sem ela, ele não seria feliz como hoje é. Se encontraram porque precisavam se encontrar. Fizeram um do outro felizes porque podiam fazê-lo. Amor. O ditado adora se repetir por aí, cair com força sobre a cabeça dos dois: nada é para sempre. Ah, sinto muito, mas tem coisas que simplesmente são.