terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Vinte&Cinco e Dez

Cidade nova
Casa antiga

Fim do dia quente, claro
Silêncio cheio de ruídos de cigarra e respiração
Suor na pele lisa, brilhante e pegajosa

Cheiro de flor. E de grama. E de barro
E de arroz. Ovo frito. Bolo com manteiga

Rotina que não pune, não sufoca

Nós queríamos ser tristes, mas a infância não deixava
Nós fugíamos para mundos inventados, de onde nunca mais saímos

Ternura. Materna.
Somente materna, de duas mães

Eu finalmente aprendi sua língua, mas agora não quero mais conversa com você. Vai embora. Será que você pode ir embora, por favor?

O que aconteceu?
Além dos 15 anos mutantes? Que passaram voando?

Passamos. Investimos. Tanto tempo
Tanto tempo querendo esquecer da menina confusa e problemática
E quase conseguimos. Mas quando quase conseguimos, sentimos um desespero enorme

Ela sou eu. Essa não sou eu
Quase conseguimos. Quase nos perdemos dela
Mas não vamos mais. Não queremos mais

Ela sou eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário